quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Você tem coragem de sonhar?

Algum tempo atrás falei aqui no blog sobre a importância do pensamento criativo das crianças, esse pensamento que não conhece o impossível e faz dele a realidade.  Quando criança, somos estimulados a sonhar, fantasiar, ser criativo e enxergar além. No entanto, à medida que envelhecemos, vamos perdendo essa capacidade, pois estamos rodeados por um sistema que reprime quem pensa diferente, quem é diferente. Bem, esse é um problema que aos poucos estamos superando. Estamos deixando de ser uma economia e uma sociedade baseada nas faculdades lógicas, lineares da Era da Informação e fazendo transição para uma economia e uma sociedade baseada nas faculdades criativas, empáticas e sistêmicas. Dentro das organizações, nunca se falou tanto em inovação e criatividade. Veremos, em breve, efetivamente o discurso ir à prática. O vídeo abaixo, apesar de estar em inglês, é bem ilustrado e com uma pronúncia de fácil entendimento. Uma abordagem lúdica, simples e criativa, que convida você a voltar a sonhar, gastando o meu mineirês - daquele jeitinho bunitinho de quando éramos crianças. 


sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Empreendedorismo Social




Empreendedorismo social é utilizar as habilidades técnicas, criativas e de gestão do individuo empreendedor para gerar resultado social. A atividade pode até gerar lucro, mas este não é o foco principal. Seus indicadores de desempenho são sociais e seu resultado é medido pelo impacto socioambiental gerado.

O empreendedor não é apenas motivado pelo dinheiro, mas pela paixão de ter uma ideia e transformá-la em realidade. 
O empreendedor social transforma a sua ideia em realidade, mas também tem o poder de transformar a realidade das pessoas.
Essa transformação poderá acontecer tanto no produto como no processo, inserindo os entes, antes excluídos, dentro da cadeia produtiva ou na geração de produtos destinados a melhorar a vida da população de baixa renda.

O mundo precisa muito mais do que desenvolvimento econômico, precisamos também de progressão social e proteção ambiental, é por isso que precisamos de mais empreendedores sociais! Precisamos de empreendedores que não foquem apenas em resultados econômicos, mas em utilizar mecanismos econômicos para mudar a realidade da população excluída.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Cursos extracurriculares - Parte 2




Os cursos extracurriculares são uma ótima maneira de fazer contatos e obter conhecimentos que agreguem na sua área de formação. Uma dica para a escolha do curso é ficar atento às exigências que as empresas estão fazendo para os candidatos às vagas que você está interessado. Outra dica é o DIY, vem da expressão em inglês “Do it yourself” – Faça você mesmo! Procure tutoriais, vídeo aulas, apresentações e artigos na internet, na minha experiência, o conhecimento é muito mais importante do que o certificado.

Em 2008 publiquei uma lista de cursos extracurriculares para estudantes do curso de Engenharia de Produção. Desde então tenho recebido vários e-mails solicitando mais dicas. A imagem acima trás a lista atualizada, eles podem ser aplicados tanto as demais engenharias como ouras áreas como administração e economia.

sábado, 6 de julho de 2013

Intercâmbio depois dos 25, foco no resultado!




Depois dos 25 o planejamento para o intercâmbio tem algumas diferenças com relação ao tradicional intercâmbio na adolescência. A diferença fundamental é que estamos (ou deveríamos estar!) muito mais focados no resultado. Queremos inglês fluente, networking, diferenciação, experiência internacional, acesso as novas tecnologias e soluções na nossa área. Tudo isso no menor espaço de tempo possível. Afinal, precisamos mitigar o custo de oportunidade de renunciar a nossa carreira, mesmo que por pouco tempo.

Então vamos aos pontos que considero mais importantes baseados na minha experiência.

Quanto tempo? Se você está no nível básico ao intermediário, 6 meses é o tempo que considero ideal. Meu programa durou quase 1 ano, poderia ter otimizado melhor os meus gastos e investido em outros cursos de formação profissional. Se o seu inglês está entre o intermediário e o avançado, não vejo motivos para ficar mais de 3 meses, a não ser que tenha outros objetivos além dos destacados no primeiro paragrafo.

Casa de família ou residência estudantil? Sem sombra de dúvida, casa de família. Muitas pessoas procuram a residência estudantil por considerarem os custos mais baixos, mas isso nem sempre é verdade. Depois dos 25 somos mais exigentes com relação à moradia, alimentação, limpeza, segurança, privacidade, entre outras coisas. Pagar por tudo isso morando numa residência estudantil pode levá-lo a gastar o mesmo tanto ou mais do que se morasse em uma casa de família. Ainda tem o fato de que a residência estudantil fatalmente abrigará brasileiros e isso poderá atrapalhar a atingir os seus objetivos no menor tempo possível.

Diferenciais competitivos: devemos aproveitar a oportunidade para enriquecer o currículo, não apenas com o inglês. Procurar por voluntariado na área técnica. Prestar atenção aos congressos que estão acontecendo na cidade, em muitos deles, você pode aplicar para voluntário e ter passe livre ao evento. Nesses eventos também temos a oportunidade de ampliar a rede de contatos com profissionais locais e de outros países. Pesquisar sobre empresas que atuam no nosso segmento, em alguns casos a própria empresa promove programas de visitas guiadas. 

Assim como no Brasil, muitas universidades ou centros educacionais e de negócios, oferecem cursos de curta duração ligados a nossa área de conhecimento. Esses cursos quase sempre não são baratos, então quando estiver planejando o seu intercambio é melhor saber exatamente quais cursos você pretende fazer, quais instituições estão oferecendo e por quanto. 

O nosso planejamento não deve fugir em nada as premissas da gestão de projetos de balancear custo, tempo, escopo e qualidade. Lembrando que o tempo tem um peso importante nesse caso. É impossível mudar uma variável sem afetar as outras. Então com a maturidade peculiar aos 20 e tantos anos, habilidades técnicas e de gestão, faça o seu planejamento e foque no resultado!

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Sobre as manifestações no Brasil - Cidadania achada na rua

Compartilho esse artigo em apoio as manifestações que estão ocorrendo por todo o Brasil nos últimos dias.




CIDADANIA ACHADA NA RUA*


Nair Heloisa Bicalho de Sousa
Socióloga, coordenadora do Núcleo de Estudos para a Paz e os Direitos Humanos da UnB

José Geraldo de Sousa Junior
Ex-reitor e professor da Faculdade de Direito da UnB; coordenador do projeto “O Direito Achado na Rua”

No seu livro Tudo que é sólido desmancha no ar, o escritor Marshall Berman utiliza a metáfora da rua para caracterizá-la como a esfera pública na qual, em seus encontros e desencontros, reivindicando a cidadania e os direitos, a multidão transeunte se transforma em povo.

A rua, nessa dimensão simbólica é uma representação constante no imaginário sociológico e poético brasileiro, ao captar o espaço de mais intensa comunicação como o lugar do protesto, semente de um protagonismo transformador. Veja-se, em Castro Alves (O povo ao poder), celebrando a rua como a arena de luta pela liberdade; ou em Cassiano Ricardo (Sala de espera), reivindicado o acontecimento para instalar a rua republicana, lugar da reivindicação social. Por isso é que, atento a um tremendo movimento de repensar o jurídico, se pode representá-lo como achado na rua (Roberto Lyra Filho), conceituado como a expressão de legítima organização social da liberdade.

O sociólogo Manuel Castells, neste momento em visita intelectual ao Brasil para debater seu mais novo livro Redes de indignação e esperança, explica a realidade dessa espontaneidade de manifestações coletivas, movidas pela indignação e pelo protesto, que são a face de um movimento democrático muito real, sem intermediação ou representação institucional, repolitizando o pleito de respeito e reconhecimento aos sujeitos de direitos.

Para Castells, tudo se resume a uma demanda espontânea de direito à cidade, com a novidade de que os cidadãos têm agora um instrumento próprio de informação, auto-organização e automobilização, independentemente de convocação institucional, partidos ou sindicatos, e que materializa um espaço crítico instituinte por impulso de uma cidadania ativa, profundamente democrática, capaz de designar, representar e materializar direitos.

Essas mobilizações civis de cidadãos indignados com a corrupção dos políticos, a falta de respeito aos direitos das minorias, os excessivos gastos com megaeventos versus o orçamento social insuficiente, somadas à forte repressão policial e os deslocamentos forçados para higienizar os espaços urbanos, desencadearam a retomada da esfera pública para garantir o direito à cidade e à cidadania.

A rua transforma-se em ponto de encontro de indivíduos, grupos (especialmente jovens) de diversos matizes, dispostos a pressionar o Estado para ouvir e se manifestar em prol dos ideais democráticos reconquistados em 1985 e traduzi-los em políticas públicas centradas nos interesses populares.

A experiência constituinte que se viveu no Brasil recentemente é um aprendizado difícil para orientar a transição ainda incompleta da reconstrução democrática de nosso país. Mas há nessa experiência uma lição fundamental para a passagem ao novo tempo social e político: saber reconhecer a legitimidade política e jurídica do protesto e de ser capaz de gerar institucionalidades participativas (conferências, consultas, audiências públicas, mesas de negociação, fóruns) para o diálogo entre a sociedade e o Estado, como condição de reeducação da estrutura democrática.

O pré-requisito desse aprendizado é a recusa à criminalização incompetente do protesto social para, em seu lugar, proceder ao chamamento e ao exercício identitário (estudantes, mulheres, afrodescendentes, indígenas, grupos LGBT, articulações ad hoc de pautas plurais atualizadas por eventos de conjuntura como a copa ou o aumento de tarifas de transporte público, segmentos excluídos e grupos marginalizados dentre outros) autônomo e consciente dos diferentes grupos sociais que reivindicam um espaço público não contaminado para o resgate da política. 


* Artigo publicado no Correio Braziliense, Seção Opinião, pág. 15, edição de 20/06/2013

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Em cima do muro, por que não?



A famosa expressão, “em cima do muro”, sempre teve uma conotação negativa, indicando que existem dois lados e que algo ou alguém não está em nenhum dos dois. Crescemos e vivemos em uma sociedade onde existem modelos prontos para tudo e onde não ter um lado é considerado algo não inteligente.

Desde pequenos recebemos nossas “camisas sociais”, as quais somos treinados a defender como verdades únicas e absolutas. Alguns assuntos exigiriam discussões quase infinitas, tamanha é a complexidade deles. Mas ao contrário disso, a sociedade de forma direta e indireta força-o a assumir um lado sem antes questionar todo o contexto em que cada um desses modelos foram criados. Muitas questões exigem que você olhe para o passado e presente da sua sociedade, para o mundo e ainda tente estimar o impacto disso no futuro. É nesse momento que me lembro da formação dos grupos sociais e da necessidade do ser humano em “ser aceito” e “pertencer” a um grupo.

Você é contra ou a favor do aborto? Você é contra ou a favor das quotas raciais? Você é contra ou a favor da legalização da maconha? Perguntas como essas, induzem a nos posicionarmos em um dos dois lados. Coloque-se em cima do muro antes de escolher o seu lado. Questione as verdades absolutas e os modelos pré-estabelecidos. Verá que cada lado tem seus prós e contras e, no final, talvez descubra que nenhum dos dois expressa o que você realmente pensa.


quinta-feira, 28 de março de 2013

Pioneiras da ciência no Brasil





As pesquisadoras Hildete Pereira de Melo e Ligia M. C. S. Rodrigues disponibilizaram os resultados de suas pesquisas sobre as pioneiras nas ciências. Este trabalho foi publicado primeiramente pela SBPC, em 2006, com o título: Pioneiras da Ciência no Brasil e poderá ser acessado na íntegra através do link disponibilizado no rodapé dessa postagem. 

Tenho muito orgulho dessas mulheres que em tempos mais difíceis que os nossos, onde era preciso batalhar para ter acesso até mesmo à educação elementar, venceram e abriram as portas para tantas outras transformações na sociedade.

Parabéns para as pesquisadoras desse trabalho e para as nossas cientistas de ontem, hoje e sempre. Ter sido bolsista do Centro Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Brasil foi uma importante etapa no meu desenvolvimento profissional e humano. Incentivo a todos a sempre buscarem essa experiência. A ciência encanta!

http://www.cnpq.br/documents/10157/6c9d74dc-0ac8-4937-818d-e10d8828f261

quarta-feira, 20 de março de 2013

Pesquisa de mercado para não pesquisadores


Quem me conhece sabe que adoro realizar pesquisas de todos os tipos, não é por acaso que me especializei em Inteligência de mercado, Inteligência competitiva, Business Intelligence e Geoprocessamento. Todas essas áreas possuem em comum a associação com a manipulação da informação para a tomada de decisão estratégica. No quadro acima reuni algumas dicas para pessoas interessadas em realizar, por conta própria, pesquisas de mercado com o objetivo de abrir um novo negócio. Podemos aplicar a mesma metodologia para outros tipos de pesquisas, como por exemplo, tendências de expansão urbana, potenciais empreendimentos, distribuição de clientes e concorrentes. 


Abaixo sites úteis para a sua jornada rumo à sabedoria:

http://www.inde.gov.br

terça-feira, 12 de março de 2013

TED Tecnologia, Entretenimento e Design



Recentemente descobri um site muito interessante e gostaria de “espalhar” essa ideia. Chama-se TED Technology, Entertainment and Design (Tecnologia, Entretenimento e Design). O site reúne quase 1.500 vídeos com palestras de grandes nomes como Daniel Pink, Steve Jobs, Bill Gates, entre tantos outros. Já tinha assistido algumas palestras realizadas em suas convenções, mas nunca havia explorado o site. Uma ferramenta extremamente valiosa para nós profissionais, estudantes e educadores. Os vídeos podem ser acessados gratuitamente e alguns possuem legenda em português. Seguindo a filosofia do TED “espalhar ideias”, tenho prazer em compartilhar com vocês.

http://www.ted.com/

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Você sabe o que o motiva?

5 minutos de PDP



O Processo de Desenvolvimento de Produto (PDP) é uma complexa atividade que envolve diferentes partes da organização e se estende do planejamento estratégico e conceito do produto até o gerenciamento do seu ciclo de vida e retirada do mercado. O modelo genérico define o processo em atividades de pré-desenvolvimento, desenvolvimento e pós-desenvolvimento. 



A multifuncionalidade característica desse tipo de desenvolvimento faz com que a gestão de mudanças e comunicação seja um dos seus principais gargalos. O processo é fortemente marcado pelo paralelismo na execução das atividades, datas chaves de análise e reavaliação da viabilidade técnica e econômica do projeto, como também a antecipação da visualização dos problemas e restrições das próximas fases. 



Elaborei o esquema acima para uma recente (e breve!) apresentação sobre o conceito. Entender o PDP em cinco minutos é quase uma missão impossível. A figura utiliza a prática de três diferentes montadoras de veículos. O macro processo é basicamente o mesmo, a diferenciação está em como as empresas elaboram estrategicamente o gerenciamento do desdobramento de cada etapa utilizando os princípios da engenharia simultânea além da integração de novos modelos como a co-criação N=1 e R=G.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Gestão à Vista - Eficiência na comunicação




A Gestão à Vista iniciou-se com o movimento da Qualidade Total e hoje é amplamente utilizada nas empresas, especialmente indústrias. É um importante meio de comunicação da empresa com os funcionários e vice versa. Os seus requisitos básicos são uma comunicação rápida, eficiente e disponível. Seus principais benefícios são melhorar a comunicação, nivelar o conhecimento sobre o processo/sistema, perceber problemas e identificar oportunidades de melhorias. 

É comum vermos em forma de gráficos os indicadores produtivos de máquinas, equipes ou áreas. Geralmente são expostos em painéis de locais de grande movimentação e fácil acesso. Atualmente muitas empresas também utilizam a intranet como canal de comunicação da Gestão à Vista. 

Tenho um particular interesse por esse sistema, pois acredito que quanto mais conhecimento você tem sobre o que está fazendo, maior é o seu compromisso com o resultado. 

Para ilustrar os resultados é necessário medi-los, assim estimulamos a criação de indicadores de desempenho; para medir é necessário organizar e padronizar, otimizar processos e focar no resultado. Um "painel" que pode mudar a rotina de uma empresa inteira.

Tive contato com a Gestão à Vista de diversas áreas, do meio ambiente à industria. Transitando o conhecimento, apliquei na gestão municipal, detalhe na imagem. Acredito que deveria ser requisito básico de todos os gestores do município. 

sábado, 19 de janeiro de 2013

PDAC 2013 - O mais importante evento da área da mineração




O PDAC 2013 International Convention, Trade Show & Investors Exchange - Mining Investment Show é tido como o mais importante evento da área da mineração mundial. Em sua última edição contou com mais de 30.000 mil participantes de 125 países. Acontecerá entre os dias 3 - 6 de março no Centro de convenções Metro Toronto Convention Centre - Toronto, Canadá. Para os mais interessados, é possível se candidatar para trabalhar como voluntário e ter acesso livre a convenção.



O link para mais informações é http://www.pdac.ca/pdac/conv/index.aspx Quem estiver indo me avise! Vejo você lá!

domingo, 13 de janeiro de 2013

Fábrica de cerveja em Toronto - Otimização e Sustentabilidade






Steam Whistle é uma inusitada cerveja canadense que usa 4 ingredientes naturais em sua fabricação. A fábrica está localizada bem no centro de Toronto ao lado da famosa CN Tower. A empresa possui um excelente programa de visitação que inclui exclusivas passarelas para os visitantes, rádios pessoais com fone de ouvido para a comunicação durante o trajeto e várias paradas para degustação de cerveja (Good One!!!!!). Durante a visita podemos perceber como os seus processos são automatizados. Visitei a fábrica em horário de plena produção e pude ver pouco mais de 4 funcionários operando. A fabrica também possui o máximo de eficiência em layout, através das imagens vocês podem perceber um pouco desse sistema. 

A empresa possui sérias medidas de sustentabilidade e otimização de processo. As embalagens de cerveja são reutilizadas cerca de 45 vezes; o seu sistema de produção permite que todos os materiais envolvidos no processo de fabricação possam ser reciclados, desde embalagens danificadas até os grãos já utilizados no processo, estes viram alimentação animal para os agricultores; 100% da energia utilizada no processo vem de sistemas renováveis, como a energia eólica; durante o verão, o sistema de resfriamento da fábrica utiliza água do fundo do lago Ontario em vez dos tradicionais sistemas de ar condicionado.

Duas palavras resumem a minha impressão sobre a fábrica: otimização e sustentabilidade.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Feliz 2013!


Quero desejar um Feliz 2013 para todos! Assim como a natureza, vocês se renovem e estejam sempre prontos para os novos desafios!

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Formação na área de Meio Ambiente




Essa é uma versão “beta” de um trabalho que quero desenvolver daqui pra frente no Blog. Escolhi como primeiro tema uma dúvida que por muito tempo esteve presente em meus pensamentos. Como alguns sabem, minha formação origem é Meio Ambiente, depois fiz Engenharia de Produção e mais recente fiz MBA em Gestão. Quando decidi fazer Engenharia fiquei muito tempo achando que iria “jogar fora” tudo que aprendi sobre meio ambiente, pensava em uma maneira de levar aquele conhecimento e aplica-lo em outras áreas. O vídeo aborda de forma lúdica e objetiva as respostas que encontrei para essas perguntas.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Transformação da Sociedade - da Era Agrícola a Era Conceitual e da Criatividade




Vivemos hoje uma transição da era do conhecimento, onde a geração de riqueza se dava através das faculdades lógicas e lineares do indivíduo, para a era conceitual e da criatividade. Nesta valorizamos as faculdades lúdicas, empáticas e criativas. Também conhecida como a era do hemisfério direito do cérebro, a era conceitual resgata a sociedade significado e propósito na rotina do dia a dia. Em novas postagens detalharemos esse novo começo de Era onde o design reina absoluto e a inovação é a grande engrenagem das organizações.

A Estratégia do Oceano Azul e o Cirque du Soleil



Leitura essencial na era conceitual e da criatividade, “A estratégia do Oceano Azul” traz a dicotomia entre o mar vermelho versus o oceano azul. O mar vermelho é o mercado saturado, sangrento, onde empresas competem por preços, sacrificando margens de lucro, qualidade e diferenciação. O oceano azul é quando a empresa conquista um novo mercado, límpido, inexplorado, nele a demanda é criada e não disputada. O exemplo clássico dessa estratégia é o Cirque du Soleil, assunto abordado no vídeo anexo.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Palestra sobre Inovação no IFRN



Registro da palestra realizada hoje no auditório do IFRN - Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. O tema abordado foi Inovação, com subtítulo "a revolução do hemisfério direito". Estiveram presentes os acadêmicos e professores do curso técnico e superior em Gestão Ambiental.

Fiquei emocionada e lisonjeada pelo convite, pois tenho um vínculo muito forte com a instituição. Professores amigos e mentores para a vida inteira.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Desenvolvimento de equipe, discurso ou prática?




A preocupação com a perspectiva do aprendizado e crescimento nas organizações funciona mais no papel do que na prática. É um discurso bonito e eloquente e que está presente na fala de quase 100% dos gestores. Ouvimos muito falar da importância das pessoas na construção do aporte de conhecimento e desenvolvimento das empresas. Entretanto, conversando com colegas ou mesmo da nossa própria experiência, constatamos que a realidade é bem diferente.


Dessa vez a constatação veio através de duas recentes pesquisas. A primeira foi realizada pela LHH/DBM, empresa de atuação global especialista em transição de carreira e desenvolvimento de talentos. Focarei nos resultados e não na condição de amostragem. A pesquisa mostrou que os líderes de 79% dos entrevistados, raramente ou nunca demonstram interesse no desenvolvimento profissional da equipe.



A segunda pesquisa foi realizada pela Fundação Dom Cabral, professora e pesquisadora Marta Campello. A pesquisa mostra que entre as habilidades menos desenvolvidas nos executivos brasileiros, estão a comunicação e a capacidade de desenvolver pessoas.



Tenho certeza que muitos já provaram os dois lados, pois também conheci líderes que se preocupavam de forma efetiva em aperfeiçoar talentos. Esses as empresas devem investir e preservar, pois é artigo raro no mercado. É importante ressaltar que a perspectiva do aprendizado e crescimento define os ativos intangíveis mais importantes para a estratégia. As empresas devem concentrar-se nas capacidades críticas e imprescindíveis para atender aos seus objetivos.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Diferença entre criatividade, pesquisa, invenção e inovação






A imagem acima é parte do material que apresentei para os alunos de Engenharia de Automação da PUC Minas. A palestra abordava Inovação e PDP (Processo de Desenvolvimento de Produto) com enfoque na realidade das organizações. No tema de Inovação diversos aspectos foram abordados, como os tipos de inovações, co-criação de valor, macrotendências mundiais e a transformação da sociedade. Hoje faremos uma conceituação e diferenciação simples do que é Criatividade x Pesquisa x Invenção x Inovação.


Criatividade é pensar em coisas novas, fazer diferente e pensar diferente. Geralmente as pessoas associam à inovação a criatividade, mas o “pensar diferente” nem sempre resulta em uma criação de valor efetiva para as organizações. Explorar outros ambientes fora da empresa ajuda a aumentar a criatividade e manter a máquina criativa em pleno funcionamento.

Pesquisa desenvolve o conhecimento. É a atividade científica da criatividade. A maior demonstração de quanto um país investe em inovação tecnológica é por meio da ampliação do número de cientistas na indústria e do crescimento do número de patentes. 

Invenção mostra que pode ser feito através do conhecimento, é a aplicação do conhecimento na criação de algo novo, um novo processo ou um novo produto.

Inovação é o resultado do pensar criativo, da pesquisa e invenção, mas o que precisamos entender é que seu foco é o desempenho econômico e a criação de valor.

Vamos em frente!



Hoje acessei o Blog decidida a desativa-lo. Navegando nas suas postagens, relembrei o carinho que tinha por essa página. Resultado: resolvi voltar a escrever no Blog! Então vamos em frente!

quarta-feira, 9 de março de 2011

Publicações em Inovação - ABDI




Através do link http://www.abdi.com.br/Paginas/estudo_detalhe.aspx?n=1&e=Estudos Setoriais de Inovacao vocês terão acesso a um acervo de publicações da Agencia Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) ligadas à área de Inovação nos diversos segmentos industriais. A ABDI é responsável por iniciativas estratégicas fundamentais para o desenvolvimento da indústria no país. O acervo é formado por estudos setoriais de inovação em nanotecnologia, indústria automotiva, calçados e couro, madeira e móveis, plásticos, informação e comunicação, indústria têxtil e vestuário, aeronáutica, naval, agroindustrial, entre outros. Ótima fonte para pesquisas acadêmicas, empresariais ou simplesmente curiosidade!

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Leonardo Boff


Leonardo Boff é professor, pesquisador, doutor, teólogo, redator, entre outras funções... Já recebeu diversos prêmios nacionais e internacionais sobre sua obra e sua luta em favor dos direitos humanos. É doutor honoris causa em Política pela universidade de Turim (Itália) e em Teologia pela universidade de Lund (Suécia).

Em razão de suas teses ligadas à Teologia da Libertação foi processado pela igreja e condenado a um ano de *“silencio obsequioso” e deposto de todas as suas funções editoriais no campo religioso. Dada a pressão mundial sobre o Vaticano a pena foi suspensa e ele pôde retomar algumas de suas atividades.

Conheci Leonardo Boff na disciplina de ética do programa de especialização em Gestão na FDC, interessei pela sua história e a qualidade da sua obra, dentre elas o famoso artigo "FIB - Felicidade Interna Bruta". Leonardo escreve em seus artigos que hoje vivemos a ética do cuidado, este como forma de preservar a espécie humana e o meio ambiente para uma coexistência sustentável.

Através do seu site temos acesso a boa parte dos seus artigos. Professores, alunos e curiosos podem acessar o link e baixar gratuitamente. Podem ter certeza que será um material de um brasileiro reconhecido internacionalmente que agregará bastante a quem ainda não o conhece.


Informações de contato:

http://www.leonardoboff.com/site/lboff.htm

convites/direitos autorais/entrevistas : cristianomiranda@leonardoboff.com
 outros assuntos: contato@leonardoboff.com

 
(*) O silêncio obsequioso é uma punição imposta pela Santa Sé a religiosos que, no seu entendimento, pregam ou divulgam doutrinas consideradas errôneas em relação à ortodoxia doutrinária da Igreja Católica, seja através de declarações ou da publicação de livros e artigos. Consiste em exigir ao subordinado, no caso um padre ou religioso que tenha feito voto de obediência, um afastamento da pregação ou publicação de textos por um período de tempo determinado.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...